News
Loading...

Siga-nos!

Ter sido xingada me traz mais força pela causa, desbafa Preta Gil



Diva da Parada de São Paulo, Preta Gil promete atuar com mais força pelos gays

Preta Gil foi à apresentação da Parada de São Paulo na noite da última quarta-feira, 30, na Capital, transparecendo, no mínimo e com razão, muita chateação com os comentários homofóbicos e racistas do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ). O clima atual de Preta é meio que vamos ferver depois porque agora a gente tem muito o que fazer, coisas sérias devem ser resolvidas, meu bem. 

Sérias como os três processos judiciais que está movendo contra o parlamentar fluminense e a responsabilidade de ser a diva oficial da maior Parada LGBT do mundo. Lindamente loiríssima, Preta conversou com a gente durante o evento o tempo todo muito séria e mostrando certeza em cada passo que está dando, sempre em nome de se livrar dos preconceitos que ainda existem na sociedade brasileira.

Na entrevista a seguir, ela revela que se conhecesse o perfil de Bolsonaro antes não teria feito a pergunta no programa “CQC” para evitar escândalos, mas reconhece no episódio uma oportunidade de amplificar um discurso há muito tempo já incorporado em sua vida pessoal e profissional. Com a palavra, a dona da fervida Noite Preta.

Tem gente que chegou a falar que o CQC induziu a pergunta ao Bolsonaro.
Foi uma pergunta genuína, querendo saber a resposta dele. Eu perguntei se por um acaso um dos filhos do senhor se apaixonasse por uma mulher negra o que o senhor faria. De verdade? As pessoas me perguntam “ah Preta, você acha que caiu em uma armadilha do ‘CQC’, que eles te induziram a fazer?”. Não, eles não me induziram nada. Mas sem dúvida nenhuma se eu conhecesse o perfil dele talvez eu tivesse evitado, porque hoje eu sou uma mulher completamente da paz, como a gente viu aqui. Eu sou uma mulher que tenho plenos conhecimentos de todos os meus direitos e sou uma mulher que luto por muitas causas, mas isso da minha maneira. Fazendo meus shows, tentando dialogar sempre com meu público, com meus fãs. Eu não gosto e nem nunca gostei na minha carreira e na minha vida de escândalos. Eu não sou a favor de guetos, eu sou a favor exatamente disso que está acontecendo aqui hoje, da inclusão. Então eu nunca fui de levantar bandeira. Se eu soubesse exatamente quem era a pessoa para quem eu estava fazendo a pergunta, eu digo de verdade que eu não faria, porque eu não gostaria de ouvir essa resposta.

Ele disse que entendeu mal a sua pergunta. Achou que você tinha perguntado sobre gay em vez de negro. Você acredita nisso?
Eu acho que a emenda sai pior que o soneto, não importa de fato se ele entendeu ou não. O que importa foi o que ele disse, isso para mim é o que importa. Ele me chamou de promíscua e chamou o ambiente em que eu fui criada de promíscuo. Isso é o que importa. Se referindo a mim como uma mulher negra, se referindo a negro ou a homossexuais, isso tanto faz. Mas eu não acredito que isso seja verdade porque a pergunta anterior a minha foi em relação ao casamento gay, à união gay.

Você acha que ele pode estar tentando amenizar a coisa?
Ele se apegou a uma coisa - porque ele é muito esperto - que o Marcelo Tas falou quando a matéria acabou. E o Tas já deu entrevistas e já escreveu sobre isso, que o quê ele está querendo na realidade é ser oportunista. O Marcelo falou: eu espero que o deputado não tenha entendido a pergunta da Preta. Mas ele falou isso com relação à esperança mesmo, à esperança de que a pessoa possa ter sido menos pior. Ele responder a pergunta entendendo que aquilo era para os gays é tão grave quanto se ele tivesse entendido a pergunta de verdade. Vamos fazer uma simulação da pergunta como ele imaginou: senhor deputado, o que o senhor acharia se um filho seu tivesse um relacionamento homossexual. ‘Preta não vamos falar de promiscuidade.’ O que tem a ver com promiscuidade as relações homossexuais e a opção sexual de um ser humano? Não tem nada a ver, ele foi absurdamente preconceituoso. Estou falando com vocês aqui porque só aqui eu me sinto à vontade para falar sobre isso, não atendi nenhum jornalista, não quis falar com nenhum jornalista nesses dias todos porque justamente eu não quero ficar alimentando a polêmica. Porque isso alimenta ele, se eu falo ele fala, se eu falo ele fala. Então eu não quero isso de maneira nenhuma. 

Você acha que pode ser uma estratégia dele falar cada vez mais?
Mas ele está falando cada vez mais barbaridades. Ou seja, a lista do meu advogado e de todas as associações e dos parlamentares que estão entrando contra ele só está aumentando de provas. Porque ele vai reafirmando e reafirmando a homofobia dele, o preconceito dele a homossexuais. Ele citou meu pai, falou ‘quem é Gilberto Gil? Um homem que dá bitoca, beijinho na boca de outro’. Realmente é uma coisa surreal (risos).

Ele fez um ataque a sua pessoa quando ele disse que você não tem credibilidade para falar sobre isso.
Eu acho isso surreal, porque é exatamente isso que eu sou. Eu sou uma mulher que prego e prezo e fui educada e educo meu filho, como eu bem disse, para ser livre. Eu sou uma mulher de 37 anos de idade que já tive experiências na minha vida que eu tive, ingenuamente, enfim, oportunidade de declarar que já tive algumas experiências sexuais que eu não me arrependo e que me fizeram ser o quê eu sou hoje, uma mulher que sei muito bem o quê eu quero. Uma mulher que experimentou alguns sabores da vida e que isso só contribuiu para a minha formação como mulher, como artista. O que ele se refere como baixaria ou, como ele falou, ‘ela fez suruba, ela se relacionou com mulheres’, nada dessas práticas que ele me acusa, e que de fato eu fiz, são inaceitáveis. São práticas absolutamente naturais do ser humano que podem ser praticadas por quem bem entender e por quem for maior de idade se não se ferir e não ferir ao outro. Eu jamais na minha vida fiz nada contra um ser humano, contra qualquer pessoa. Nem muito menos contra mim mesma como mulher.

Você vai acioná-lo judicialmente por isso que ele falou?
Ele já está acionado, a questão é que vai se juntando provas. Ele me chamou primeiramente de promíscua. Tem uma parte do meu processo contra ele que vai diretamente a essa fala dele, onde ele me chama de promíscua. O resto, são três ações que a gente está movendo, são três processos diferentes em três esferas diferentes, é pela homofobia que ele fala na matéria, tudo o que ele fala na matéria. E é importante que as pessoa não fiquem atentas somente a mim. É porque realmente eu sou famosa e talvez eu tenha maior visibilidade, então fica focado somente ao que ele disse a mim,mas as atrocidades que ele disse na entrevista inteira são mais graves. Porque ele falou que não viajaria em um avião pilotado por um cotista, hoje eu vi uma carta de uma estudante de Medicina que é cotista e fala que ‘espero um dia que o senhor precise de cuidados médicos e que eu possa te atender e que eu possa curá-lo para que o senhor possa sobreviver e ver o progresso dos negros, das minorias’.

Nesse tempo você já parou pra pensar, tentou imaginar o porquê ele é assim?
Nada. Não quero pensar nisso.

Quando ele fala que o sogro dele é negão e que ele não é racista isso te parece demagogia?
Olha, eu não posso julgá-lo por essas coisas, eu julgo ele pelo todo. As frases isoladas, o que ele fala, isso me parece um misancene, que já reparei que é uma coisa que ele tem. Ele tem uma personalidade que ele impõe. Sabe por que ele fala isso? Homofobia no Brasil não é crime, ainda. Ainda não é, essa é a nossa luta. Racismo é crime, então ele muito bem fala ‘como eu seria burro de assumir em cadeia nacional que eu sou racista? Racismo é crime’. Racismo é crime! Se você hoje agride um negro, se você chama um negro pejorativamente querendo humilhá-lo você vai preso. Agora se você agride um homossexual na Avenida Paulista, se você me agride na televisão se referindo aos gays isso não é crime. Tem que mudar, tem que mudar radicalmente. Eu falei pro Marcelo Tas: nossa, olha onde vocês me meteram. E o Marcelo respondeu ‘nada acontece por acaso, você veio trazer à tona uma coisa que está acontecendo há muitos anos. Esse senhor é deputado pelo sexto mandato, o Rio de Janeiro elegeu ele seis vezes’. Eu pelo Twitter vejo mil hitlerzinhos, sei lá, seguidores dele, que acreditam mesmo que filho gay você tem que educar batendo, uma série de absurdos que não condiz com o que a gente está vivendo hoje em dia, com o que a gente luta, com o que a gente quer para a humanidade. Não é pro Brasil, é pra humanidade. A discussão não é estadual ou regional, é mundial.

Você acha que teve um ponto positivo acontecendo isso com você? Porque a gente sabe que você já processou gente antes e é uma pessoa que vai atrás dos seus direitos mesmo, do que você acha certo. 
Eu só processei uma pessoa e isso é uma coisa que eu não gosto de ouvir.  Não acho bom de maneira nenhuma que isso tenha acontecido, para a minha vida isso não tem nada de bom porque é um desgaste emocional muito forte, é uma coisa que mexe com a família, que mexe com muitas pessoas que me amam, que gostam de mim. Mas eu tenho força suficiente para lutar, sem dúvida nenhuma Deus dá aquilo que você pode suportar. Eu nunca processei gratuitamente ninguém. Justamente por eu ser uma mulher livre, transparente, que dou minha cara a tapa, muitas vezes as pessoas excederam comigo. Eu processei uma única vez um programa de televisão que fez uma sátira que me humilhou me chamando de baleia. E eu ganhei, a Justiça provou que a razão estava do meu lado. Quando eu vi o episódio na internet, porque eu não vi ao vivo, eu não tive dúvidas, eu não pensei nem meia vez antes de processar ele. E eu recebi muito, muito, muito apoio e tenho recebido esses dias todos, inclusive de parlamentares e de associações, movimentos gays, de movimentos negros e de pessoas que não são gays. É o que eu falo no meu show, o importante é a gente olhar o próximo e amar o próximo, que por acaso é o tem da Parada este ano, sem olhar a cor, o credo, a raça, a religião.

Esse tipo de coisa te dá mais força para vir à Parada com mais glamour, mais animada?
Foi uma coincidência, um acaso da vida. Eu já tinha aceitado, fui convidada há dois meses atrás para ser a diva da Parada, já tinha aceito o convite. Este evento já estava organizado na minha agenda há um mês, mesmo porque são 18 shows por mês, então a gente tem que arrumar uma vaguinha. Eu me coloquei à disposição do evento e da Parada por acreditar realmente em tudo isso antes desse episódio. É que eu não acredito no acaso, eu acredito que Deus faz as coisas certas da maneira Dele. Ter acontecido isso na segunda-feira sem dúvida me traz mais força pela causa, pela luta. O brilho, o glamour, a minha viadagem, a minha euforia, isso existirá sempre. Mas eu acho que me faz ainda mais militante, ainda mais ativa nessa questão de conscientizar as pessoas e de educar as pessoas a não praticarem o preconceito em esfera nenhuma.

Falando um pouquinho da Parada, o que você vai trazer para a Parada? Você já pensou em alguma coisa especial?
Ah, tem muitas coisas que a gente está pensando ainda. Muitas coisas especiais. Mas principalmente o meu coração que é o que eu acho que eu tenho de mais precioso, que é o meu amor verdadeiro, genuíno pelo ser humano, pelas pessoas. Sejam elas de que orientação sexual for. Eu gosto de olhar o coração das pessoas, de olhar o sorriso das pessoas. Essa é a minha grande troca na vida. Fiquei muito feliz com a organização do evento. É bom a gente ter consciência de que a Parada, como eu bem disse ali, não é somente um ato folclórico, uma festa.

Como você recebeu a notícia da escolha de diva da Parada? Você esperava, se imaginava diva da Parada?
Não esperava. A gente não trabalha esperando essas coisas, a gente trabalha simplesmente pelo amor e doação ao público. Mas eu graças a Deus tenho um público GLS muito forte. E tenho um show de muito sucesso, de muito êxito, que é a Noite Preta, que roda o Brasil inteiro e ele tem na sua maioria um público GLS, que veio de uma maneira absolutamente espontânea, natural justamente por eu ser do jeito que eu sou. Uma mulher que prego a liberdade, que falo sobre isso e vejo nos meus shows, e isso é uma coisa que é muito forte, a nova geração. São adolescentes que podem e se sentem livres e felizes de se beijar, de se abraçarem no meu show. E é um convívio de harmonia, são héteros que vão e que convivem com aquilo com muita naturalidade. É isso que eu prego, que eu prezo e que eu amo na minha vida e na minha carreira. 

Você acha que tem alguma coisa que deveria ser melhorada na Parada?
Eu acho que Parada como ela está hoje, com tudo que a gente viu, é um avanço absurdo. A gente tem uma organização, tem uma militância, tem um ato político importante por trás. Eu acho que a coisa mais importante de tudo, e isso que eu ouvi aqui, é que a lei seja aceita. Porque eu acho que a gente pode festejar, que a gente pode brincar, que a gente pode lutar pelos nossos direitos, mas se a gente não tem a lei a gente pode levar uma lâmpada na cara, ou ser xingada e associada à promiscuidade.

Você quer ser madrinha dessa lei também?
Não, eu não tenho essa veia política. Não tenho mesmo. Eu vou ser madrinha sempre dessa lei porque eu acredito nisso. Eu não preciso de um cargo, de um nome para que eu continue sendo madrinha, diva da diversidade, da diversidade sexual, da diversidade cultural, que eu também trago muito isso para os meus shows, saber que o Brasil é múltiplo, que o Brasil é misto. Que o Brasil é negro, é índio, é branco, é mulato e é a Amazônia, é Belém do Pará, são os gaúchos, enfim, é isso que eu prego. Então eu não preciso de um título de uma coisa que eu já sou.

Você acha que a Parada tem efetivamente ajudado nisso?
Eu acho que sim, mas eu acho que agora com essa nova administração e com essa nova cara que eles estão dando para a Parada isso vai ser ainda mais forte. Eu acho que agora eles estão ainda mais focados nisso também. Não é só a Parada no dia 26, são os outros dias do ano inteiro lutando para isso.

Fonte: Mixbrasil
Share on Google Plus

Sobre Equipe Noticia G

O Noticia G é um blog de notícias LGBT sob o princípio da diversidade. Portanto, divulgamos tudo o que cremos ser relativo a todo SER HUMANO. O blog NOTICIA G não mantém qualquer vínculo empregatício com seus colaboradores/colunistas. Todos o fazem por livre e espontânea vontade. As opiniões expressas pelos colaboradores/colunistas não refletem necessariamente a opinião do blog. Se você detém direitos sobre qualquer assunto/mídia veiculado no blog, favor contatar para retirarmos (noticiag@hotmail.com)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários :

  1. A Preta Gil é uma pessoa forte e bem resolvida e com certeza supera qualquer tipo de maledicência,principalmente atrocidades do tipo que o deputado insiste em proferir de forma leviana e indigna.

    ResponderExcluir